Páginas

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Minguante

Ser feliz a qualquer custo tem um preço. Um preço caro, caro demais!
Por 30 dias eu me libertei de tudo. Um mês me preocupando só comigo, um mês buscando apenas o meu sorriso, um mês olhando pro meu próprio umbigo, fazendo o que eu queria, sendo o que eu sou.
Putz, como é delicioso!
Mas como é caro também!

Eu vivi conforme as fases da lua, da minguante pra cheia! E que Lua Cheia! Mas cara, ela volta a minguar, e isso é triste. Sabe ela não mingua novamente porque quer! É uma fase que independe dela! Bom mesmo é sumir por uns tempos, como ela faz a cada mês.
Eu sou fujona como a Lua, covarde como a Lua, cheia, como a Lua, de fases, como a Lua.
E no meu atual momento, quero um eclipse lunar. Porque eu me acostumei a depender de outros astros, afinal, sou satélite da Terra. Eu preciso do brilho do Sol!
Eu quero ver o Sol brilhando, e a Terra girando, e todo mundo fazendo seus movimentos em harmonia.
Eu não posso ser feliz sem os raios de Sol, e sem a companhia da Terra!




Enfim, não posso pagar minha felicidade com euros de sofrimento dos meus alheios. Não posso ser feliz sabendo que sou motivo de sofrimento para algumas pessoas! E é esse o momento que eu quero ser Lua Nova. Quero me ausentar, e voltar devagarinho... até poder ficar cheia novamente.