Páginas

sábado, 23 de abril de 2011

Todas são, mas esta é especial

A missa de quinta-feira santa!
E mais uma vez: É LINDA, PORQUE É SIMPLES!
Porque ensina um gesto de simplicidade e humildade.
Porque é a PRIMEIRA MISSA! Aquela que Jesus instituiu o sacramento da Ordem e da Eucaristia!
É a ÚLTIMA CEIA. Onde Jesus ensina a sermos humildes e a lavar os pés uns dos outros.
Para complementar esse post gostaria de usar uns trechos da homilia do Papa Bento XVI na missa de quinta-feira Santa.

"Será que somos verdadeiramente o santuário de Deus no mundo e para o mundo? Abrimos aos homens o acesso a Deus ou, pelo contrário, o escondemos? Nós - o povo de Deus - por acaso não nos transformamos em um povo de incredulidade e distante de Deus?", questionou o papa.
Bento XVI acrescentou: "Não é verdade que o Ocidente, que os países centrais do cristianismo estão cansados de sua fé e, aborrecidos de sua própria história e cultura, já não querem conhecer a fé em Jesus Cristo?".

O papa teólogo acrescentou que olhando para trás existem motivos para implorar a Deus que não permita que seu povo se dissipe.
"Faz com que te reconheçamos novamente. Sim, nos ungiste com teu amor, infundiste teu Espírito Santo sobre nós. Faz com que a força de teu Espírito se faça novamente eficaz em nós, para que demos testemunho de tua mensagem com alegria", assinalou o pontífice.
Bento XVI afirmou que o homem está inquieto por entender que tudo que é temporário é pouco e questionou se o homem não se resignou, talvez, à ausência de Deus e tenta ser autossuficiente.

"Não permitamos semelhante reducionismo de nosso ser humano", acrescentou o papa, quem assegurou que apesar de "toda a vergonha por nossos erros", não devemos esquecer que também persistem nos dias de hoje exemplos luminosos de fé, pessoas que mediante sua fé e seu amor dão esperança ao mundo.
Entre estes citou seu antecessor, João Paulo II, quem beatificará em 1º de maio e sobre o qual lembrou como uma grande testemunha de Deus e de Jesus Cristo nos tempos atuais, um homem cheio do Espírito Santo.

Durante a missa, os sacerdotes renovaram suas promessas sacerdotais - pobreza, castidade e obediência
O papa declarou que a missão da igreja é ir pelos caminhos curando os doentes e anunciando o Reino de Deus. O óleo da unção dos doentes - precisou - é a expressão sacramental visível dessa missão.
Bento XVI se referiu aos homens e mulheres que levam esse amor curativo às pessoas de todo o mundo, "sem olhar sua condição ou confissão religiosa", destacando Vicente de Paulo e a madre Teresa de Calcutá e agradeceu a Deus por todos aqueles que se põem ao lado dos que sofrem.

O papa decidiu que o dinheiro recolhido durante a missa será destinado aos desabrigados do terremoto e do tsunami que atingiu recentemente o Japão, deixando milhares de mortos.


Papa Bento XVI na celebração de lava-pés. FONTE: Uol notícias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Diálogo?