Páginas

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Farpas

Entrei num blog de uma veeelha amiga, e a frase era: "Palavras não ditas viram farpas!"
Quando eu era criança eu vivia enfiando farpas na mão. E enquanto meu pai não tirava aquilo incomodava. Incomodava. E doía!
A frase é genial, uma metafora/carapuça, uma alusão perfeita!
Por um bom tempo fui daquelas que guardava o que pensava, todas as minhas mágoas eram gotas d'água dentro de mim: um grande balde!
Uma comparação cliche, mas quando o balde enche, a água transborda. E transbordava sim. Quando eu estava sozinha, no meu quarto escuro.
Meu interior era só farpas! Acontecimentos e traumas que eu guardava somente para mim!
Em questão de sentimentos e traumas, eu não tinha ninguém pra tirar as farpas da minha mão, como meu pai fazia. Eu não confiava o bastante em ninguém, eu tinha medo de que mais e mais pessoas saíssem da minha vida, e deixassem mais uma gota no meu balde.
Já passei por situações em que confiei em antigos namorados. Confiei em prima. Confiei em amigas, em amigos. Mas tudo o que eu fazia era aprofundar as farpas na minha própria mão...
Infelizmente hoje, isso ainda acontece.
Palavras que eu não dizia viravam farpas dentro de mim.
Tanto eu achava conversar desnecessário, tanto eu achava as palavras inuteis, que o nome antigo do blog é palavras desnecessarias.

Maaaaaaaaas...
Ouvi também uma outra frase sábia: "Há três coisas na vida que nunca voltam atrás: a flecha lançada, a palavra pronunciada e a oportunidade perdida."
Provérbio Chinês

E isso me deixa num impasse.
As palavras DITAS podem virar feridas.
Por isso, caros leitores, tomem muito cuidado com o que vocês dizem pra mim.
Porque se as palavras me magoarem isso não cicatrizará tão fácil, e vou me lembrar sempre.
Por isso, na minha opinião, é tão dificil perdoar. Das pessoas qe perdoei, existem aquelas que eu ainda sinto dor quando me lembro delas, a maioria foram com PALAVRAS.
A dor se estende, pelo caminho que a flecha percorreu, e o rastro que ela deixou, quando perdeu-se a oportunidade de silenciar.

O que fazer com as palavras?
Ser egoísta e dizer tudo o que pensa lançando farpas por aí?
Ou deixar a dorzinha da farpa incomodando enquanto se vê a outra pessoa bem?

Os sentimentos que mais me intrigam sempre terminam com OR!
Amor... Dor... totalmente interligados.

E que tal se usarmos boas palavras?
Quando cresci, aprendi a tirar minhas farpas sozinha.
Sem precisar de alguém para tirá-las de mim.
E sem precisar transparecer a dor que elas me causavam.

E pra fechar: "Tome cuidado, quando for julgar alguém, palavras são punhais, você sabe tão bem!" - Os Patrões.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Diálogo?