Páginas

sexta-feira, 14 de maio de 2010

48 horas por dia

É tenso. Nesses ultimos dias, eu andei tendo ideias bombásticas de posts pro meu querido blog. Tanto que eu pensei até em andar com caderninho e panz.
Mas não cinsigo LEMBRAR de pegar o caderninho e enfiar na mochila, simplesmente porque não dá TEMPO de pensar.
Eu ando brigando com o relogio, vivo dizendo pra ele que preciso que ele colabore. No começo do dia eu acordo, olho pro porta retrato no meu criado mudo, sorrio, agredeço por estar respirando, e logo grito: "POXA VÊ SE PASSA A HORA RAPIDO NAQUEELE EMPREGO CHATO HEIN!"
Aí quando chega a noite, e eu vo pra Jáu, uma ou duas vezes por semana, eu fico muito brava (pra não dizer palavrão) com a droga do relógio. PORQUE NAQUELA HORA ERA PRA PASSAR DEVAGAR. ¬¬'
E passa correndo.

Eu já não continuo meu livro (Alados e Condenados - como o chamo carinhosamente), parei no 7º capítulo, tem tanta agua pra rolar, o Jeliel ainda nem apareceu direito. E eu não peguei mais nele.
Eu já não estudo mais. Preciso desesperadamente de um cursinho. Meus planos era arrumar um emprego que bancasse meus estudos. E arrumei. Mas além de não bancar eele me mata de cansasso.
Eu já não toco mais meu violão, nem minha guitarra, e eu juro que to tentando arrumar tempo pro teclado.
Eu já não posto mais no blog, não mexo mais em orkut, nem em twitter, nem no forms, nem em nada.
Eu já não posso dizer que estudo a Segunda Guerra mundial por esporte como fazia antes, porque não dá mais tempo.
Preciso tirar carta.
Preciso voltar a estudar fisica.
Preciso aprender log.
Preciso DE TEMPO PRA FAZER CHAPINHA CARA.

Sabe quando a gente cresce, o tempo volta a ser bebê.
Eu tenho que conviver com a ideia de que eu sou adulta. Isso já é bem responsa pra mim, que sou uma criança com tamanho e numeros.
E todos os meus planos, objetivos e HISTORIA, literalmente, precisam de um dia com 48 horas, e talvez ainda seja pouco. Meu emprego roubou todo meu tempo e disposição.
Eu já não CONSIGO MAIS LIQUIDAR AS MINHAS OLHEIRAS.
E todo mundo quando me olha pergunta: "nossa, você ta cansada né?!"
ou coisas deste tipo.
Eu estou cansada, exausta, queria um relógio igual ao do Benjamin Button, queria poder voltar os ponteiros ás vezes, pra que eles parassem de me sufocar.
Eu nunca me dei muito bem com LIMITES. Por isso não me dou bem com tempo ;D
E ás vezes eu tenho medo, eu já tenho 18 anos. Todo mundo já resolveu a vida. Eu ainda to aqui. Tentando resolver a minha. E quando eu paro pra filosofar essas coisas, eu filosofo mais uma vez: "ANA, VOCÊ ESTÁ PERDENDO TEMPO!"
Aproveite, cada segundo. Porque a gente se cansa, MAS OS PONTEIROS NÃO.

Um comentário:

  1. Já dizia minha professora de Literatura, "o tempo é inexorável"

    O trabalho sempre rouba boa parte do nosso dia...
    E nem sempre nos resta tempo pra perseguir nossos sonhos...

    Já dizia uma música do Creed (uma das que mais curto):
    "Sem qualquer escolha, eu sigo em frente
    Ei tempo, você não é nenhum amigo meu!"

    ResponderExcluir

Diálogo?